17.9 C
Franca
maio 22, 2024
Notícias

PRORROGAÇÃO DE DÉBITOS RURAIS PELO BNDES – POR FABIO LAMONICA

Apesar da profissionalização dos produtores rurais, do aumento nas contratações do seguro rural, no maior acesso e utilização de contratos futuros, os problemas climáticos e de preços enfrentados ainda tem deixado um número grande de endividados.

Para auxiliar na solução desse problema (ou na redução dos impactos) o Governo Federal criou, em 2018, um programa através do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social – BNDES.

Trata-se de uma linha de crédito a ser repassada através de agentes financeiros credenciados (informação disponibilizada pelo próprio BNDES, CIRCULAR SUP/ADIG N° 21/2019), sendo os beneficiários produtores rurais ou suas cooperativas de produção, obedecidos determinados critérios.

O beneficiário deve comprovar incapacidade de pagamento em consequência de frustração de safra, dificuldade de comercialização de produtos ou problemas com o desenvolvimento dos empreendimentos. São os mesmos requisitos do já conhecido Manual de Crédito Rural – MCR, item 2.6.9.

Além disso, deve restar comprovada a viabilidade econômica da atividade do beneficiário, bem como a capacidade de pagamento pelo prazo do financiamento.

Com o crédito a ser liberado pela nova linha de crédito o beneficiário poderá liquidar as operações relativas a custeio ou investimento contratadas até 28 de dezembro do ano de 2017, ainda que prorrogadas; dívidas com fornecedores de insumos e dívidas com instituições financeiras que tenham por objetivo o pagamento de dívidas rurais, passando, então a manter uma única operação.

É possível a contratação de uma única operação, de até 20 milhões por beneficiário, para liquidação de operações com mais de um credor.

As operações a serem pagas deverão ser atualizadas pelos encargos contratuais de normalidade até a data de contratação da operação. Veja, há possibilidade de ajuste (ainda que mediante discussão judicial) quanto aos contratos com juros superiores a efetivos 12% ao ano, uma vez que é o limite em operações de crédito rural.

Os juros serão calculados pela variação da Taxa de Longo Prazo (TLP), atualmente em 6,49% ao ano, mais 1,5% ao ano (Remuneração do BNDES), acrescidos de até 3% ao ano (remuneração do agente financeiro, o que produzirá uma taxa final (que poderá variar) de aproximadamente 11% ao ano.

O prazo total será de até 144 meses, sendo que destes poderão ser concedidos até 36 meses de carência. Os pagamentos poderão ser mensais, semestrais ou anuais, sendo esta a forma mais coerente com o programa e as necessidades dos produtores.

O interessado deverá manifestar seu interesse diretamente junto à instituição financeira credenciada até o dia 30 de setembro de 2019. A recomendação é que o pedido seja feito por meio do Cartório de Títulos e Documentos, comprovando-se os requisitos exigidos pelo normativo (incapacidade de pagamento atual em decorrência de perda de safra, etc. e viabilidade econômica de pagamento do financiamento pleiteado).

Quanto às garantias da operação, são de livre ajuste entre as partes, segundo às normas do Conselho Monetário Nacional, lembrando ser viável e coerente a utilização das mesmas garantias das operações que serão liquidadas.

E se o beneficiário atender a todos os requisitos exigidos pela normativa, terá o direito à contratação da operação e a instituição financeira credenciada a obrigação de liberar o crédito para a composição?

Tal situação se assemelha à discussão sobre a conhecida Securitização, então instituída pela Lei n. 9.138/95, que levou até à edição de uma Súmula (entendimento pacífico) do Superior Tribunal de Justiça, com sede em Brasília, e que diz que o produtor rural, atendidos os requisitos em lei, tem direito ao alongamento do débito e a instituição financeira, por sua vez, a obrigação de atender o direito.

No atual caso do programa do BNDES, trata-se de uma nova linha de crédito repassada através de uma instituição credenciada. Na securitização, trata-se de prorrogação das operações segundo determinados critérios.

Contudo, em ambas as situações, os recursos são federais e há claro objetivo social de auxiliar nos impactos de uma crise financeira de grandes proporções no agronegócio.

Logo, independente do formato apresentado, trata-se de direito do produtor e dever da instituição financeira, desde que atendidos os requisitos em lei e, em princípio, caso a instituição financeira não atenda ao direito do produtor rural, é possível pleitear o benefício judicialmente.

Fonte: Revista Cafeicultura

Related posts

Inscrições para o Selo de Integridade do Ministério da Agricultura terminam dia 31

Ácido húmico estimula crescimento da cebola

Fabrício Guimarães

Projeto da Associação dos Criadores de Nelore do Brasil pode melhorar remuneração dos pecuaristas

Fabrício Guimarães

Deixe um comentário

Usamos cookies para melhorar sua experiência no site. Aceitar Leia Mais