17.9 C
Franca
maio 22, 2024
Agricultura

Consumo e exportação de café solúvel crescem acima da média nacional

Para investimento nas atividades cafeeiras, o Bandes dispõe de linhas específicas e estratégicas

Consumo e exportação de café solúvel crescem acima da média nacional

*Foto: Divulgação/Bandes

A cafeicultura é tão atrelada à cultura do Brasil que é impossível falar da história do país sem mencioná-la. Mas quando se fala em café, é a forma mais tradicional de prepará-lo que vem à tona: o café em pó é a primeira referência da bebida presente no imaginário popular. No entanto, no último ano, em 2022, o café solúvel demonstrou ter ganhado mais espaço no consumo nacional.

Os dados recentes da Associação Brasileira de Indústria de Café Solúvel (Abics), mostram que o faturamento brasileiro de café solúvel foi recorde no ano de 2022, chegando a US$ 705,7 milhões. O consumo interno no país foi de quase um milhão de sacas, o que representa 1,4% do aumento do consumo, se comparado ao ano de 2021.

No recorte capixaba, o Espírito Santo, que tem a atividade cafeeira como uma das principais culturas, obteve números expressivos na exportação do café solúvel. Segundo dados da Secretaria da Agricultura, Abastecimento, Aquicultura e Pesca (Seag), enquanto a exportação do produto no Brasil cresceu 29% em 2022, as agroindústrias capixabas tiveram um resultado de 122% em crescimento de divisas.

Ainda de acordo com informações da Secretaria, a participação do Estado correspondeu a quase 20% do volume total de café solúvel exportado pelo Brasil, e obteve 17% das divisas nacionais, um crescimento considerável em relação a 2021. O café solúvel capixaba está presente em 42 países, sendo Indonésia e Estados Unidos os principais importadores. Esses números demonstram o crescente aumento na preferência dos brasileiros, capixabas especialmente, pelo produto em sua forma solúvel, nos últimos anos.

Atividades importantes e tradicionais no Espírito Santo, como é a cafeicultura, precisam constantemente de novas práticas para aprimorar e agregar valor em um mercado cada vez mais competitivo. E para isso, contam com investimentos específicos por meio de linhas oferecidas pelo Banco de Desenvolvimento do Espírito Santo (Bandes).

“Com o objetivo de desenvolver a cadeia produtiva do café nos municípios capixabas, com ganho de produtividade e de melhoria no valor agregado dos produtos, além de reforçar o apoio regionalmente diversificado, o Bandes tem buscado ampliar os recursos para que empresários do setor cafeeiro possam investir. Os recursos do Funcafé oferecem uma alternativa de financiamento para a modernização da cafeicultura e para a pesquisa cafeeira, com apoio também à indústria e à exportação, por consequência. É importante destacar que a modernização do agronegócio e das agroindústrias estão entre as prioridades do Bandes, para a diversificação produtiva e a geração de emprego e renda no interior”, enfatiza Ezequiel Loureiro Nascimento, gerente Comercial e de Relacionamento do Bandes.

Funcafé

Para possibilitar o investimento no setor, com recursos destinados ao capital de giro para a indústria de café solúvel, de torrefação de café e para a cooperativa de produção, o Bandes disponibiliza linhas de financiamento do Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé).

A linha de financiamento inclui o custeio da safra de café e capital de giro para a indústria de café solúvel, de torrefação de café e para a cooperativa de produção, com recursos do Fundo de Defesa da Economia Cafeeira, criado em meados dos anos 1980.

Por meio do Funcafé, é possível apoiar o ordenamento da oferta, estimular a liquidez do mercado, com a compra do café produzido, e promover o desenvolvimento tecnológico, com pesquisas e tecnologias para o aumento de produtividade e de qualidade.

Os financiamentos do Funcafé, operado pelo Bandes, têm a finalidade de apoiar os gastos da produção do café, como insumos, mão de obra, tratos culturais e colheita, além do beneficiamento, torrefação e industrialização; custos com estocagem e armazenamento do café para venda posterior, compra da matéria-prima pela indústria; capital de giro para as indústrias de café solúvel, de torrefação e para cooperativas de produção.

Informações sobre linhas de financiamento:
www.bandes.com.br/credito

Fonte: Conexão Safra

Related posts

Redução dos juros do Funcafé vai ajudar na retomada do setor no período pós-pandemia, diz CNA

Fabrício Guimarães

FALTA DE ENERGIA ELÉTRICA PODE ACABAR ATRAVÉS DO USO DE BIOPRODUTOS

Clima adverso afeta produção de milho no Brasil

Fabrício Guimarães

Deixe um comentário

Usamos cookies para melhorar sua experiência no site. Aceitar Leia Mais