18.3 C
Franca
junho 20, 2024
Agricultura

Confira como está o mercado brasileiro do milho

Por: AGROLINK –Leonardo Gottems

Mercado completamente parado no Paraná, somente com ofertas.

No mercado de milho do estado do Rio Grande do Sul os preços seguem inalterados, de acordo com informações divulgadas pela TF Agroeconômica. “No mercado praticamente sem novidade. Tradings não indicaram preços, mas, exercitando a conta de exportação, os preços não seriam maiores que R$ 90,00 porto para exportação, mas não fechando a conta para a maioria das regiões em função dos fretes”, comenta.

“Preços para março (posto indústrias) R$ 87,00 Grande Santa Rosa, R$ 91,50 região de Marau, R$ 92,50 região de Lajeado. Vendedor segue pedindo entre R$ 86,00 até 89,00 interior (quando há ofertas). Preços da pedra em Panambi caíram para R$ 82,00 a saca”, completa a consultoria.

Santa Catarina tem os preços de comprador recuando levemente, com vendedores ausentes. “Milho tributado para pequenos compradores entre R$ 69/90/saca conforme o frete ou R$ 91 para 30 dias, no Meio-Oeste catarinense. Milho regional a R$ 92 posto fábrica, com vendedor entre R$ 93/94, poucos negócios. Exportação voltou a indicar preços abaixo de R$ 90,00 no porto, depois de se abastecer não soubemos de novos negócios. Preços de balcão inalterados a R$ 84/saca em Campos Novos, caiu a R$ 80,50 em Chapecó e em queda para R$ 82,00 Concordia e Joaçaba”, indica.

Mercado completamente parado no Paraná, somente com ofertas. “Não vimos negócios realizados nesta segunda-feira no estado do Paraná. Somente ofertas de vendedores, o que mostra um mercado, abastecido, do lado dos compradores (ou, pelo menos, com chance de se abastecer facilmente) e, de outro, vendedores começando a entender que a possibilidade de alta existe, mas é muito limitada e talvez não seja vantajosa”, conclui.

Related posts

Colheita de arábica vem ganhando ritmo

Fabrício Guimarães

Grandes lançamentos para o agronegócio acontecerão na Agrishow 2019

Fabrício Guimarães

Com aumento de 300%, Brasil tem explosão de pedidos de recuperação judicial no agronegócio

Fabrício Guimarães

Deixe um comentário

Usamos cookies para melhorar sua experiência no site. Aceitar Leia Mais