27.3 C
Franca
junho 20, 2024
Agricultura

Projeto visa fortalecer mercado de café através da digitalização de Indicações Geográficas

O Sebrae, a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) e o Instituto CNA estão juntos realizando o projeto Digitalização das IGs de Café, com objetivo de fortalecer o mercado de produtos com Indicação Geográfica (IG). A iniciativa será implementada ainda neste ano, com o apoio do Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (MDIC).

A proposta visa desenvolver um sistema para fomentar o controle e a rastreabilidade das regiões produtoras de café e o seu relacionamento com o mercado nacional e internacional, além de potencializar referências como qualidade e origem dos grãos produzidos no país. 

A analista de inovação do Sebrae, Hulda Giesbrecht, explica que serão 18 meses de trabalho junto a associações, cooperativas, produtores, poder público e demais parceiros. “Vamos desenvolver uma ferramenta, um sistema que servirá de base para a digitalização das Indicações Geográficas brasileiras dos demais produtos”, adianta. A partir de março, os parceiros promotores deste projeto vão lançar chamada pública para selecionar a startup que desenvolverá a solução.

De acordo com Hulda, a novidade também contribuirá para impulsionar a exportação dos produtos e ampliar a conexão com o mercado internacional. “Ao longo dos últimos anos, o país tem caminhado no sentido de valorizar e escalar as vendas de produtos com Denominação de Origem ou Indicação de Procedência reconhecidos. Isso fortalece nossa economia, gera emprego, renda e valorização de nossos produtos e serviços”, esclarece.

Para Juliano Tarabal, superintendente da Federação dos Cafeicultores do Cerrado, o programa de digitalização das IGs de café é preponderante no sentido de dar mais visibilidade para toda a cadeia produtiva cafeeira.

“O projeto para desenvolvimento de uma plataforma única para as Regiões Produtoras de Café do Brasil é de uma relevância enorme para o setor, levando em conta que vamos fornecer garantia de origem e qualidade através da rastreabilidade, mantendo as informações alinhadas entre as regiões, aumentando a transparência do setor, elevando o nível do serviço para todos os envolvidos: exportadores, importadores, torrefadores e consumidores”, conclui.

Cecília Kazuko Nakao, diretora-presidente da Associação de Produtores de Cafés Especiais do Caparaó (APEC), afirma que o projeto de digitalização das IGs cafeeiras é importante pois, além de ser uma iniciativa inédita no país, vai facilitar a comunicação entre os atores da cadeia produtiva. “Nos posicionaremos mais assertivamente, conheceremos diversos players envolvidos no sistema e nos comunicaremos melhor com o mercado nacional e internacional. Estamos com perspectivas bem positivas para o projeto”, enfatiza.

Indicações Geográficas

São ferramentas coletivas de valorização de produtos tradicionais vinculados a determinados territórios. Elas possuem duas funções principais: agregar valor ao produto e proteger a região produtora.

O sistema de Indicações Geográficas promove os produtos e sua herança histórico-cultural, que é intransferível. Essa herança abrange vários aspectos relevantes: área de produção definida, tipicidade, autenticidade com que os produtos são desenvolvidos e a disciplina quanto ao método de produção, garantindo um padrão de qualidade. Tudo isso confere uma notoriedade exclusiva aos produtores da área delimitada.

O Brasil possui hoje 100 Indicações Geográficas reconhecidas pelo INPI, que você pode conhecer clicando aqui

As informações são do Sebrae.

Related posts

Agricultura irrigada e os desafios para a produção sustentável de alimentos

Fabrício Guimarães

Cultivar de cafeeiros paraíso 2 tem pouca adaptação ao cultivo orgânico

Fabrício Guimarães

StoneX estima nova safra em 62,3 milhões de sacas

Fabrício Guimarães

Deixe um comentário

Usamos cookies para melhorar sua experiência no site. Aceitar Leia Mais