27.3 C
Franca
junho 20, 2024
Pecuária

Por que vermifugar o gado na seca?

O prejuízo que os vermes causam aos pecuaristas pode chegar a R$ 800 por cabeça/ano, de acordo com a Embrapa. As perdas chegam entre 20 e 30% da produção anual de carne e leite, sem contar com o sofrimento do gado. Começamos esse conteúdo com um dado muito alarmante para chamar sua atenção sobre a importância de vermifugar o gado na seca.

Diarreia, anemia, pelos arrepiados e perda de peso. Esses são os sintomas mais comuns que indicam a presença de vermes no rebanho. Considerados inimigos da pecuária, os vermes precisam ser combatidos. E mesmo que seu gado não apresente nenhum sinal de anormalidade significa que está livre desses parasitas. Por isso, a vermifugação, mesmo na seca, é um protocolo importante a ser seguido para evitar o pior na sua propriedade.

Prejuízos que os vermes causam no gado 

De acordo com a Embrapa, os vermes atrasam o desenvolvimento do gado. A verminose age silenciosamente de dentro para fora até que os sinais físicos e comportamentais apareçam. Os animais começam a se alimentar pouco, reduzindo a quantidade adequada por dia. Passam a ter distensão abdominal, ficando com a barriga bem saliente, anemia e desidratação. Todos esses sintomas agravam o quadro de saúde do bovino e se não tratados a tempo, levam o animal à morte.

Por que vermifugar o gado na seca?

O controle estratégico de verminoses, aquele que realmente funciona, tem quatro etapas. Você pode, inclusive, começar a aplicar o vermífugo ainda na fase da cria. Bezerros entre os dois e três meses de idade já devem ser vermifugados, com intervalos entre 60 e 90 dias.

Duas delas nas águas, sendo a primeira e quarta etapas e as segunda e terceira, na seca. Ou seja, você realmente precisa vermifugar o gado na seca para evitar perdas. Confira o calendário completo para que a vermifugação tenha resultado realmente efetivo:

Calendário de vermifugação para gado 
  • 1ª vermifugação – segunda quinzena de abril até o final da primeira quinzena de maio, época da vacinação contra a Febre Aftosa (aos estados que ainda demandam vacinação);
  • 2ª vermifugação – primeira quinzena de julho;
  • 3ª vermifugação – segunda quinzena de agosto ou de setembro;
  • 4ª vermifugação – primeira quinzena de dezembro.

Quando o produtor deixar de vermifugar o gado na seca, não completa o ciclo de proteção, deixando o gado vulnerável. E não pense você que ao deixar de aplicar o vermífugo, consegue monitorar a presença de vermes.

Coloque a vermifugação entre as atividades da lida, no planejamento anual da sua propriedade. Dessa forma, você terá a segurança de que esse tipo de aplicação será realmente feita:

Cuidados para evitar vermes em rebanhos em todas as épocas do ano: 

  • Sempre seguir a dose recomendada pelo fabricante;
  • Não deixe de executar a vermifugação, a partir da orientação do seu veterinário de confiança;
  • Evite ao máximo a troca de vermífugo com frequência;
  • Pastejo rotacionado, mais que oferecer um pasto nutritivo é uma boa forma de controle;
  • Reforce os cuidados com a higiene, não apenas no curral, mas nos bebedouros, com troque de água e limpeza frequente. Evite ao máximo acúmulo de dejetos e lixo na propriedade, principalmente, em áreas onde os animais circulam.

Related posts

COM NÚMERO RECORDE, 99,59% DO REBANHO BOVÍDEO DE SÃO PAULO ESTÁ VACINADO CONTRA A FEBRE AFTOSA

Fabrício Guimarães

Exportação de animais vivos: o Brasil tem muito espaço para ampliar suas vendas e o Instituto Biológico pode ajudar

Fabrício Guimarães

Leite: entenda a alta nos preços e veja tendência para os próximos meses

Fabrício Guimarães

Deixe um comentário

Usamos cookies para melhorar sua experiência no site. Aceitar Leia Mais