27.1 C
Franca
fevereiro 26, 2024
Agricultura

MEDIDA PROVISÓRIA PRORROGA PRAZO PARA ADESÃO AO PROGRAMA DE REGULARIZAÇÃO AMBIENTAL

23 de fevereiro, 2023 – por FAESP

FAESP aponta as vantagens do Programa aos proprietários / possuidores de imóveis rurais

Os proprietários/possuidores de imóveis rurais têm mais prazo para aderir ao Programa de Regularização Ambiental (PRA): 180 dias após convocação pelo órgão competente, estadual ou distrital. O texto original estabelecia o limite de um ano a partir da implantação do programa de regularização. O prazo foi estendido por meio da Medida Provisória n° 1.150, publicada em 26 de dezembro de 2022.

O PRA compreende um conjunto de ações e iniciativas que devem ser desenvolvidas por proprietários/possuidores de imóveis rurais para regularização, recuperação e compensação de áreas degradadas, como as Reservas Legais, Áreas de Preservação Permanente e de Uso Restrito. Foi instituído pela Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012, sendo mais conhecido como Código Florestal. Esta é a quinta vez que o tempo para adesão ao PRA sofre alterações.

A adesão ao PRA depende da inscrição do imóvel no Cadastro Ambiental Rural (CAR). Podem solicitá-lo todos os proprietários e possuidores dos imóveis rurais inscritos no CAR até 31 de dezembro de 2020. Como as unidades federativas não conseguiriam concluir as análises dos cadastros dentro do prazo previsto em lei, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e o Ministério do Meio Ambiente solicitaram a alteração, para evitar que os proprietários ou possuidores fossem penalizados, por não conseguirem ingressar no Cadastro e se tornarem inelegíveis aos benefícios da Lei n° 12.651.

“O CAR é um cadastro de âmbito nacional e está sob o gerenciamento do Serviço Florestal Brasileiro. Esse cadastro é um banco de dados que traz informações aos órgãos públicos sobre o que existe nas propriedades rurais em termos de áreas de preservação permanente, reserva legal e áreas de uso restrito e aquela parte dedicada à produção agropecuária. A necessidade de o proprietário rural fazer o CAR é que, além de ser uma exigência legal imposta pelo Código Florestal, são exigidas em muitas outras situações, como na obtenção de crédito rural, licenciamento ambiental e exigências nos cartórios de registro de imóveis”, explica Gilmar Ogawa, assessor especial da Presidência da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de São Paulo (FAESP).

Benefícios do PRA

O assessor destaca os benefícios para o proprietário ou possuidor em aderir ao Programa de Regularização Ambiental:

a. Poderá instituir menos de 20% de Reserva Legal, se elegível para tanto. Desfrutará dos benefícios dos artigos 67 e 68 do Código Florestal.

Artigo 67 – nos imóveis com até quatro módulos fiscais, a reserva legal em que houve sua ocupação com atividade rural consolidada antes de 22 de julho de 2008, não há necessidade nem de se recuperar, nem de se compensar a reserva legal. Esta será formada pelo remanescente de vegetação nativa existente nesta data.

Art. 68 – os proprietários e possuidores de imóveis rurais que realizaram supressão de vegetação nativa respeitando os percentuais de reserva legal previstos pela legislação em vigor à época em que ocorreu a supressão são dispensados de promover a recomposição, compensação ou regeneração para os percentuais exigidos nesta lei.

b. Poderá manter o uso rural consolidado em parte das Áreas de Preservação Permanente (APP);

c. Poderá ter suspensão das multas impostas por infrações cometidas antes de 22/07/2008 e, cumpridas as obrigações estabelecidas no TC-PRA, as referidas multas são consideradas como convertidas em serviços de preservação, melhoria e recuperação da qualidade do meio ambiente, conforme prevê o artigo 59 do Código Florestal;

d. Possibilidade de revisão de compromissos para a sua adequação ao Código Florestal e suas regulamentações;

e. Prazo para recuperação de passivos em área de preservação permanente e de reserva legal de até 20 anos;

f. Possibilidade de exigência de recomposição das áreas de preservação permanente do imóvel, desde que não ultrapassem 10% da área total do imóvel com até 2 módulos fiscais e de 20% para os imóveis rurais com área superior a 2 e de até 4 módulos fiscais;

g. Acesso ao crédito agrícola e a programas de incentivo à produção e comercialização, considerando que a maioria das instituições financeiras estão exigindo o PRA e

h. Permite que atividades agrossilvipastoris, de ecoturismo e turismo rural continuem sendo realizadas, desde que seja preservada uma faixa próxima ao curso d’água.

Além disso, o corpo técnico da FAESP adverte que há muitas desvantagens para o proprietário ou possuidor em não aderir ao PRA:
a. Deve propor reserva legal em área correspondente a 20% do imóvel para a instituição de Reserva Legal;

b. Deve proceder à recomposição de todas as APPs do imóvel, ou seja, com prazo de implantação mais restrito;

c. Toda faixa de APP precisará ser recomposta;

d. A recomposição de APP deverá se iniciar até o fim do prazo para adesão ao PRA e

e. Não haverá suspensão das multas, como aquelas decorrentes de supressão de vegetação em APPs, Reserva Legal e Áreas de Uso Restrito impostas por infrações cometidas antes de 22 de julho de 2008.

Related posts

Regiões produtoras de queijos artesanais são reconhecidas pelo governo de minas

Fabrício Guimarães

Chuvas irregulares: como minimizar os impactos do clima na produção?

Fabrício Guimarães

BIOVALENS E CASA DA SEMENTES REALIZA PALESTRA SOBRE “MANEJO DE NEMATOIDES EM CAFEEIRO”

Fabrício Guimarães

Deixe um comentário

Usamos cookies para melhorar sua experiência no site. Aceitar Leia Mais