23.4 C
Franca
fevereiro 23, 2024
Agricultura

Apesar da baixa das últimas sessões, arábica avançou 1,08% no acumulado semanal em NY

0Por Notícias Agrícolas: 

Postado em: 27/02/23

O mercado futuro do café arábica encerrou as negociações desta sexta-feira (24) com desvalorização para os principais contratos na Bolsa de Nova York (ICE Future US).

Maio/23 teve queda de 200 pontos, negociado por 187,70 cents/lbp, julho/23 teve queda de 210 pontos, valendo 186 cents/lbp, setembro/23 registrou queda de 220 pontos, valendo 183,75 cents/lbp e dezembro/23 teve queda de 215 pontos, valendo 181,65 cents/lbp.

Em Londres, o conilon também teve um dia de desvalorização. Maio/23 teve baixa de US$ 10 por tonelada, valendo US$ 2151, julho/23 teve queda de US$ 13 por tonelada, negociado por US$ 2137, setembro/23 teve desvalorização de US$ 14 por tonelada, negociado por US$ 2114 e novembro/23 teve baixa de US$ 14 por tonelada, valendo US$ 2082.

Apesar da baixa de hoje, o contrato referência encerrou a semana com acumulado de 1,08% em Nova York. Em Londres, para o conilon o acumulado na semana foi ainda mais expressivo, de 2,53% no período.

Sem grandes novidades, a semana foi marcada por muita volatilidade nos preços de café. A comercialização segue lenta e as chuvas nas principais áreas de produção do Brasil preocupam o setor em relação aos tratos culturais.

Segundo a Fundação Procafé, em entrevista ao Notícias Agrícolas, nas áreas de arábica o volume de fato ficou acima da média nos dois primeiros meses do ano, mas ainda não cessam as preocupações para 2024. Nos últimos dois anos, o corte na chuva aconteceu em março e o retorno apenas em outubro, esse é o cenário que ainda preocupa a Fundação Procafé. O mês de março será determinante para os próximos anos de produção.

Para os próximos meses, o Itaú BBA, o preço do café poderá ser sustentado até a entrada da nova safra, mas destaca que três importantes elos do mercado serão determinantes: exportação, as chuvas das últimas semanas e a comercialização que segue lenta.

O banco afirma que a disponibilidade de café continuará apertada no curto prazo, e com isso, a dinâmica das exportações do Brasil nos próximos meses será um importante balizador do mercado. No mês passado, o volume embarcado pelo Brasil já ficou abaixo de 3 milhões de sacas, chamando atenção do mercado.

No Brasil, o físico acompanhou e também encerrou com desvalorização nas principais praças de comercialização do país.

O tipo 6 bebida dura bica corrida teve queda de 0,86% em Guaxupé/MG, negociado por R$ 1.150,00, Poços de Caldas/MG teve queda de 0,87%, valendo R$ 1.140,00, Machado/MG teve queda de 0,86%, negociado por R$ 1.150,00.

O tipo cereja descascado teve queda de 0,80% em Guaxupé/MG, negociado por R$ 1.234,00, Poços de Caldas/MG teve baixa de 0,80%, negociado por R$ 1.240,00 e Campos Gerais/MG teve alta de 0,40%, valendo R$ 1.242,00.

Related posts

Dia de Campo Cocapec em Ibiraci.

Fabrício Guimarães

CAFÉ/CEPEA: Colheita de robusta da safra 2021/22 deve ser iniciada em abril

Fabrício Guimarães

Cuidados na colheita mecanizada reduzem danos sobre os cafeeiros.

Fabrício Guimarães

Deixe um comentário

Usamos cookies para melhorar sua experiência no site. Aceitar Leia Mais