17 C
Franca
abril 24, 2024
AgriculturaAgroindustriaGestão Rural

BALANÇO SEMANAL CNC — 02 a 05/09

Setor produtor alinha recriação do CDPC

CNC, CNA e Frente Parlamentar do Café acordam a sugestão de reativar o colegiado mantendo a estrutura conforme disposição anterior

Na segunda-feira, (02) de setembro, o Conselho Nacional do Café (CNC) realizou uma reunião de alinhamento com a Comissão Nacional do Café da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e a Frente Parlamentar do Café, na sede da associada Cooperativa Regional de Cafeicultores em Guaxupé (Cooxupé), no Sul de Minas Gerais.

O principal encaminhamento do encontro foi a definição pela recriação do Conselho Deliberativo da Política do Café (CDPC) mantendo a estrutura do colegiado conforme sua disposição anterior.

“Esse posicionamento vem ao encontro do que defendemos desde a extinção do Conselho e foi acordada com a CNA e a Frente Parlamentar do Café, de forma que seja mantida a estrutura de representação nos mesmos moldes da composição anterior. A definição dos membros de cada entidade será feita tão logo consigamos que o governo recrie o CDPC”, explica Silas Brasileiro, presidente do CNC.

Segundo ele, a reativação do fórum é fundamental para que seja trabalhada a definição do orçamento do Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé) para a safra 2020, o que não é possível enquanto o colegiado não for recriado.

“A reativação do CDPC também é vital para que possam ser debatidas e definidas medidas e políticas públicas para a cafeicultura brasileira”, conclui o presidente do CNC.

CNC atua para evitar proibição de defensivos voltados ao café

Com apoio de associados e entidades da cadeia produtiva, foi feita e enviada carta conjunta à Rainforest Alliance

Frente ao processo de revisão da Norma de Agricultura Sustentável da Rainforest Alliance de 2020 e da possibilidade de proibição do uso de agroquímicos necessários para controlar pragas e doenças do café, o Conselho Nacional do Café (CNC) e os demais segmentos da cadeia produtiva organizaram uma manifestação junto à entidade para que não haja prejuízos aos cafeicultores e a todos os elos do setor.

“Essas propostas estão sendo discutidas no âmbito da revisão da Norma para Agricultura Sustentável 2020. Caso essa proibição seja incluída no normativo, os cafeicultores certificados enfrentarão grandes dificuldades no controle fitossanitário e toda a cadeia produtiva poderá ser afetada pela redução da oferta desses cafés diferenciados”, explica Silas Brasileiro, presidente do CNC.

Diante desse cenário, o Conselho solicitou apoio de associados e entidades da cadeia produtiva para elaboração de carta conjunta, que foi enviada nesta sexta-feira, 6 de setembro, ao corpo diretivo da Rainforest Alliance, com o objetivo de o documento ser internalizado nos comitês pertinentes da instituição, os quais poderão orientar a não inclusão da proibição do uso de agroquímicos na norma 2020.

Além do CNC, assinam a carta a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), através da Comissão Nacional do Café, as Associações Brasileiras da Indústria de Café (Abic) e da Indústria de Café Solúvel (Abics) e o Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (Cecafé).

No documento, as entidades alertam que as proibições sugeridas prejudicam a tomada de decisões das autoridades nacionais competentes e proíbem o uso de produtos registrados legalmente na cafeicultura. “Essa abordagem pode resultar em graves perdas financeiras para os cafeicultores brasileiros certificados, devido à menor produtividade e ao aumento dos custos de produção”, revelam.

Considerando que os cafés brasileiros são cultivados em uma série de biomas e estão sujeitos aos efeitos das mudanças climáticas, que tornam imprevisíveis surtos de pragas e doenças, os produtores precisam ter acesso a todas as tecnologias autorizadas pelo governo e fazer o seu uso de forma responsável.

Os representantes da cafeicultura brasileira expõem, ainda, que, antes de os agroquímicos, incluindo herbicidas, serem autorizados para uso agrícola, eles são submetidos a avaliações e determinações completas para decretar sua segurança para fins agropecuários, de saúde humana e ambiental. “No Brasil, todos os agroquímicos devem ser aprovados pelo Ministério da Agricultura, pelo Ministério da Saúde e pelo Ministério do Meio Ambiente, cada um com poder de veto independente no processo”, afirmam.

Segundo as instituições, proibições completas devem ser o último recurso a ser decidido apenas pelas autoridades reguladoras nacionais competentes, de acordo com as diretrizes e critérios científicos da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) e quando não houver medidas de mitigação sob os critérios de Manejo Integrado de Pragas.

Além disso, as diretrizes mais recentes da FAO para pesticidas altamente perigosos não estabelecem nenhuma lista de produtos a serem proibidos. Pelo contrário, estipulam claramente uma abordagem baseada na avaliação de riscos para o gerenciamento desses produtos.

Os representantes da cadeia café do Brasil anotam que, para garantir o uso seguro de agroquímicos, medidas de mitigação de risco baseadas em avaliações de uso devem ser implementadas. “Quando os pesticidas são usados em condições adequadas, as preocupações com possíveis efeitos adversos podem ser manejadas, preservando os benefícios de produtos que ainda podem ser úteis para os agricultores”, afirmam.

Concluindo, CNC, CNA, Abic, Abics e Cecafé recordam que, devido à prolongada crise dos preços, há uma demanda mundial por ações visando a um setor cafeeiro economicamente viável, liderada pela Organização Internacional do Café (OIC).

“Quaisquer medidas que possam causar perda de produtividade e aumento dos custos de produção são contrárias a esses esforços para alcançar um setor cafeeiro economicamente sustentável”, finalizam.

 

Café volta a cair nos mercados internacionais

Cotações foram pressionadas, principalmente, por sentimento de oferta satisfatória e força do dólar

Os contratos futuros do café viveram nova semana de baixa nas bolsas internacionais, sendo pressionados, principalmente, pela manutenção do sentimento de oferta satisfatória e pela força do dólar.

Segundo a Organização Internacional do Café (OIC), a temporada 2018/19 pode ter superávit de 4,96 milhões de sacas e ser a segunda seguida de oferta maior do que a demanda.

Por outro lado, a safra 2019 no Brasil sofreu impactos das adversidades climáticas, que comprometeram a qualidade e parte do volume. Além disso, há preocupação com o clima no cinturão cafeeiro nacional e a influência que terá no desenvolvimento das floradas.

As instabilidades devem começar a perder força na Região Sudeste nesse fim de semana, conforme a Somar Meteorologia. Apenas o norte do Rio de Janeiro e o Espírito Santo devem permanecer com chuvas, com as demais áreas ficando com tempo firme e temperaturas em elevação.

Mesmo sendo fator de pressão para o café, o dólar comercial recuou 0,8% no acumulado da semana, devido à possibilidade de Estados Unidos e China voltarem a negociar em outubro, o que influenciou o desempenho da moeda ontem. No fechamento da sessão, a divisa foi cotada a R$ 4,1098.

No mercado físico, os preços acompanharam as quedas internacionais, o que tem feito que negócios sejam realizados somente nos momentos de pico e volume significativo ainda esteja de posse dos produtores.

Os indicadores calculados pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplciada (Cepea) para as variedades arábica e conilon se situaram em R$ 415,47/saca e R$ 283,63/saca, com perdas de 0,4% e 2,7%, respectivamente.

Fonte: CNC

 

Related posts

Produtores de Minas Gerais e Espírito Santo se preocupam com excesso de chuvas na lavoura

Fabrício Guimarães

Confira quais sãos as tendências de controle biológico

Fabrício Guimarães

BRASIL EMBARCA 3,209 MILHÕES DE SACAS DE CAFÉ EM MARÇO, DIZ SECEX

Deixe um comentário

Usamos cookies para melhorar sua experiência no site. Aceitar Leia Mais