23.4 C
Franca
fevereiro 23, 2024
AgriculturaAgroindustriaGestão Rural

Negócio online: produtores de café da Alta Mogiana vendem grãos especiais direto ao consumidor

Plataforma permite ainda que tradings, cafeterias e até grandes compradores estrangeiros comprem o produto diferenciado

Os irmãos Gabriel e Lucas Lancha assumiram há alguns anos a gestão da Fazenda Labareda, em Franca, interior de São Paulo. Eles fazem parte da sexta geração de fazendeiros da família, que começou a cultivar café na região em 1900. Os irmãos perceberam que havia uma demanda crescente por cafés especiais e começaram a investir mais na produção e venda do produto. No ano passado, os cafés Labareda passaram a ser comercializados em uma nova plataforma na internet, o Made in Farm, criado pela Bayer há dois anos.

No site, os produtores de cafés especiais podem vender diretamente para o consumidor final. Também existe a opção de fechar acordos com trades, cafeterias e  grandes compradores, inclusive de fora do país. Gabriel conta que, em uma viagem feita recentemente à Austrália, se surpreendeu ao encontrar a marca Labareda em um café de uma pequena cidade que estava visitando. “Fiquei muito feliz”, diz. “O Made in Farm está ajudando o café brasileiro a chegar mais facilmente às pessoas e empresas”, comenta.

Hoje, quase 300 produtores estão cadastrados no site. Desde 2017, foram comercializados mais de 4 mil quilos de cafés especiais e 100 mil sacas de café verde. A entrega é feita no endereço do consumidor. A Bayer criou o marketplace e contratou uma empresa de logística para fazer as entregas. Os custos são compartilhados entre os produtores de café. A companhia também ajuda a promover degustações dos produtos em pontos de venda.

Café recém-colhido (Foto: Rogerio Albuquerque)

Produto sendo espalhado pelo terreiro (Foto: Rogerio Albuquerque)

Para divulgar a plataforma, a Bayer também fez parcerias com empresas como Toyota, Azul e Riachuelo, nas quais os funcionários podem trocar pontos dos programas de fidelidade oferecidos pelo departamento de recursos humanos por cafés do Made in Farm.

A estratégia tem funcionado. Atualmente, mais de 800 pessoas estão cadastradas no site. Em 2017, eram apenas 68. Mais de 6 mil pacotes de café em grãos e quase 3.500 de café moído já foram vendidos. As transações são feitas diretamente entre o comprador e o produtor.

“Pretendemos cada vez mais estreitar o relacionamento com os produtores e oferecer serviços adicionais”, diz Cristiane Lourenço, gerente de relacionamento da cadeia de alimentos para a América Latina da Bayer. No segundo semestre, a empresa deverá incluir outras culturas na plataforma, entre elas grãos, vinhos e azeites fabricados no Brasil.

A iniciativa de criar o Made in Farm partiu de algumas pesquisas e observações feitas pela Bayer. Uma delas é uma tendência de comportamento. “O consumidor quer saber mais sobre o alimento que consome e a história do produtor”, diz Cristiane. A cadeia de comercialização também está mudando, segundo ela. Há ainda outro fator. Com as mudanças climáticas, que provocam chuvas e secas mais intensas, os grandes compradores estão procurando diversificar o número de fornecedores. “O objetivo é contar com muitos produtores, para não depender apenas de alguns, caso haja fenômenos climáticos em determinada região que afetem a semeadura”, explica Cristiane. Para os pequenos e médios agricultores, é uma forma de chegar mais perto do mercado consumidor.

Os proprietários da Fazenda Labareda, que plantam café em uma área de 740 hectares, estão vendendo o café especial produzido no local para países como Estados Unidos, Japão e Alemanha. “O mercado de cafés especiais traz maior valor agregado, com uma rentabilidade mais expressiva”, diz Gabriel. A fazenda também comercializa café verde.

Especialistas contratados pela propriedade fazem o controle de qualidade e separam os grãos utilizados nas marcas premium. Depois de secos e torrados, os cafés são saboreados por degustadores e recebem uma pontuação. Aqueles que obtêm mais de 80 pontos seguem para as embalagens especiais. “O café tem história, ele precisa de muito cuidado, demora até crescer e qualquer chuva mais forte pode prejudicar o cultivo”, diz Gabriel. “É muito bom poder compartilhar isso com os compradores e ver a marca em várias partes do país e no mundo”, complementa.

Fonte: Carla Aranha

Related posts

Monitoramento da Secretaria de Agricultura de SP revela aumento no consumo interno com leve retomada nas operações de diferentes setores do agro

Frio pode reduzir gemas florais em cafeeiros

Fabrício Guimarães

Polinização e florescimento no café arábica sob efeito de gás carbônico são analisados

Fabrício Guimarães

Deixe um comentário

Usamos cookies para melhorar sua experiência no site. Aceitar Leia Mais