23.4 C
Franca
fevereiro 23, 2024
Agricultura

Multissítios têm avanço expressivo na soja

“A expectativa é a de que os fungicidas retomem a ponta”

Por: AGROLINK –Leonardo Gottems

A preocupação crescente dos produtores em controlar doenças na soja impulsionou o mercado de Fungicidas “multissítios”. Segundo o estudo FarmTrak soja da Kynetec Brasil, as transações desses produtos aumentaram 218%, indo de R$ 1,2 bilhão para R$ 3,8 bilhões entre as safras 2018-19 e 2022-23. A adesão aos multissítios atingiu quase 80% da área plantada de soja na safra 2022-23, comparado a 5% no ciclo 2014-15 e 44% no período 2018-19. Lucas Alves, gerente de contas da consultoria, destaca a consolidação desse subsegmento, considerando os multissítios como insumos estratégicos para a sojicultura.

Apesar do aumento nas transações de fungicidas “multissítios” para a soja, a categoria de fungicidas como um todo caiu para a segunda posição em valor, representando R$ 18,9 bilhões ou 33% do mercado de defensivos para a oleaginosa, que atingiu cerca de R$ 57 bilhões. Pela primeira vez na série histórica, herbicidas lideraram as vendas, alcançando R$ 20 bilhões ou 36% do total. Lucas Alves, da Kynetec Brasil, prevê que essa mudança no ranking não será duradoura, antecipando que os fungicidas retomarão a liderança devido a aumentos nos preços e restrições na oferta de herbicidas. A consultoria estima que os preços dos herbicidas voltem aos níveis anteriores nas safras futuras, especialmente no ciclo 2023-24.

“A expectativa é a de que os fungicidas retomem a ponta”, salienta Alves. “Herbicidas tiveram desempenho mais elevado, sobretudo, em virtude de aumentos nos preços e restrições verificadas na oferta recente por determinados produtos”, justifica. “Fungicidas foliares, historicamente, representam aproximadamente 40% das vendas de defensivos para soja, ao passo que herbicidas se situam na faixa de 22%”, continua o executivo da Kynetec.

Related posts

Opinião: Café fermentado, concursos de qualidade e preferência do consumidor.

Fabrício Guimarães

Cancro cítrico aumenta 28% nos laranjais de São Paulo e Minas Gerais

Fabrício Guimarães

Dióxido de carbono pode reduzir incidência do bicho mineiro.

Fabrício Guimarães

Deixe um comentário

Usamos cookies para melhorar sua experiência no site. Aceitar Leia Mais