17 C
Franca
abril 24, 2024
AgriculturaAgroindustriaGestão Rural

Hortifrúti: Qual será o futuro das embalagens?

Os fornecedores de frutas e hortaliças de todo o mundo estão analisando detalhadamente as suas embalagens, não somente em termos de custos e materiais, mas também em relação às questões ambientais. De acordo com notícia do The Packer, ao que tudo indica, o caminho é quase único: todos querem reduzir o plástico e aumentar a capacidade de reciclagem.

Como exemplo, empresas norte-americanas estão pensando em opções de embalagem compostável, o que confirma a ideia de que os termos “reciclar” e “reutilizar” são fundamentais para algumas companhias. Agora, o foco é enxergar o que efetivamente pode ser reciclado e não somente aceito como, “reciclável”.

Ainda que o apelo à troca seja elevado, produtores, processadores e varejistas precisam, além de estimular a sustentabilidade, de embalagens que incluam tecnologias para garantir a segurança alimentar e a rastreabilidade. Isso porque, cada vez mais, países têm adotado a proibição de plásticos de uso único e, consequentemente, impulsionado a busca por soluções sustentáveis.

CONSUMIDOR – Estudos indicam que os consumidores também estão em busca desta tendência: preferem embalagens que possibilitem a visualização do produto (função atual do plástico) e, de modo geral, querem alimentos frescos e saudáveis, embalados de forma sustentável e sem comprometer a qualidade e o frescor.

OPÇÕES – As proibições do uso de plásticos têm beneficiado fabricantes de embalagens orientadas para a celulose. Porém, as preocupações com a segurança alimentar continuam na vanguarda do setor. A indústria de embalagens de papelão ondulado tem trabalhado para garantir produtos limpos para produtores, carregadores e empacotadores – dando, assim, maior “apoio” à troca.

Fonte: Cepea

Related posts

Iniciou hoje a 5° Feira da Banana em Delfinópolis/MG

Fabrício Guimarães

Pesquisa aponta mulheres com mais de 30 anos e maior qualificação no agro

Fabrício Guimarães

“Vamos fazer com que os pequenos e os médios tenham mais acesso ao crédito”, diz Tereza Cristina

Fabrício Guimarães

Deixe um comentário

Usamos cookies para melhorar sua experiência no site. Aceitar Leia Mais