18.5 C
Franca
abril 13, 2024
Agricultura

Governo de SP investe mais de R$ 4 milhões para impulsionar produção de mudas

Autor: Assessoria de Comunicação

Novo Programa tem o objetivo de atender a demanda do produtor com mudas de alta sanidade, sustentabilidade econômica e reduzir plásticos na natureza

O início de 2024 marca um recorde de investimentos da Secretaria de Agricultura e Abastecimento de São Paulo, por meio da Coordenadoria de Assistência Técnica Integral (CATI), em suas unidades da CATI Sementes e Mudas. Nesta quinta-feira (22), no Núcleo de Produção de Mudas da CATI, em Itaberá, aconteceu a entrega de equipamentos de produção de mudas em embalagens biodegradáveis, novas estufas agrícolas e câmara de nebulização. 

A ação faz parte do mais novo programa da SAA, o Propaga SP, que recebeu um aporte de mais de R$ 4 milhões, do Governo de São Paulo. Após investimento de R$ 1,5 milhão em seu laboratório de análises, a CATI Sementes e Mudas passa a oferecer ao mercado mais de 300 espécies de mudas frutíferas comerciais, silvestres e espécies florestais.

Na abertura do evento, o secretário de Agricultura e Abastecimento, Guilherme Piai, ressaltou que algumas culturas perdem de 30% a 40% com mudas de má qualidade. “Estamos aqui lançando hoje R$ 7 milhões em investimentos para solucionar um problema que afeta o setor frutífero do Estado de São Paulo.  É da muda que nasce toda cadeia e sendo elas biodegradáveis e com quantidade de substrato e adubação perfeita, terá muito menos perda. Uma muda saudável gera muito lucro ao produtor, ela vai crescer rápido e produzir em muita quantidade”, afirma o secretário.

O Propaga SP, com foco na pesquisa, inovação e transferência de tecnologia na propagação de espécies arbóreas e no plantio de mudas acondicionadas em embalagens biodegradáveis, revoluciona a produção de mudas no Estado de São Paulo, com redução de custos e do descarte de plásticos na natureza.

Vale ressaltar que as embalagens serão produzidas por uma máquina importada da Dinamarca (única no Brasil), instalada no Núcleo de Mudas de Itaberá, substituindo o plástico. “O processo inovador tem como foco na sustentabilidade econômica e ambiental, pois facilita o plantio, reduz custo de implantação dos cultivos agroflorestais e preserva o meio ambiente”, explica Gerson Cazentini Filho, diretor da CATI Sementes e Mudas. Além disso, as embalagens reduzem o peso e aprimoram o transporte das mudas.

Com o uso do equipamento pneumático e automatizado, a CATI dará um salto gigantesco na produção de mudas, em especial de espécies florestais nativas, passando de 500 mil mudas/ano para 2,5 milhões de mudas/ano, o que permitirá a recuperação de 2.200 hectares de áreas degradadas por ano, utilizando a mesma quantidade de mão de obra.

“É um investimento inteligente que vai chegar pro pequeno e médio produtor, que estava buscando mudas de outros estados. Agora, vamos atender o mercado com preço justo e subsidiado pelo Estado de São Paulo”, afirma Piai.



Entregas

O Equipamento de Produção de Mudas em Sistema de Embalagens Biodegradáveis – Ecopot (paper pot), no qual foram investidos de mais de R$ 3 milhões foi adquirido pela CATI e pela APTA Regional, e está instalado no Núcleo de Produção de Mudas de Itaberá da CATI Sementes e Mudas.

As estufas agrícolas, nas quais foram investidos R$ 845 mil são destinadas aos Núcleos de Produção de Itaberá, Marília, Pederneiras, São Bento do Sapucaí e Tietê, onde serão produzidas cerca de 30 espécies de mudas frutíferas e florestais.

A câmara de nebulização, que teve um investimento de R$ 295 mil está instalada no Núcleo de Itaberá, que tem por finalidade a produção de mudas no sistema de propagação por estaquia, de cacau, frutas vermelhas, goiaba e acerola, que precisam de climatização adequada.

Sobre o Núcleo de Mudas de Itaberá – CATI Sementes e Mudas

Com uma área de 25 hectares, o Núcleo de Mudas de Itaberá tem como principais atividades: a produção de mudas de abacate, ameixa, atemoia, pêssego, nectarina, caqui, cacau, frutas vermelhas (amora preta, framboesa e mirtilo), uva, batata-doce; bem como um banco de germoplasma, com mais de duas mil plantas matrizes, 27 espécies de frutíferas comerciais, 10 clones de cacaueiro autocompatíveis, 23 variedades de uvas para mesa e vinho, sete variedades de mirtilo, cinco variedades de amora-preta, três variedades de framboesa, 16 variedades de pêssegos, entre outras.

Related posts

Basf prevê aumento de 50% nas vendas de Soluções Agrícolas até 2030

Fabrício Guimarães

ACIF e AMSC exibem curta-metragem ‘Café Não é Só Café’

Fabrício Guimarães

A importância de escolher as cultivares corretas para a lavoura de café

Fabrício Guimarães

Deixe um comentário

Usamos cookies para melhorar sua experiência no site. Aceitar Leia Mais