17.9 C
Franca
maio 22, 2024
Política Rural

Câmara suspende votação de PL dos agrotóxicos em comissão

A votação do projeto de lei (PL) 6299/2002, que flexibiliza as regras para fiscalização e utilização de agrotóxicos no País, foi suspensa pela Comissão Especial que analisa o texto, por causa do início da “ordem do dia” da Câmara, sessão em que a presidência da Casa chama os deputados para votarem projetos que tramitam em regime de urgência os em regime de prioridade. A deputada Tereza Cristina (DEM-MS), presidente da Frente Parlamentar Agropecuária (FPA) e da comissão, disse que pretende retomar a votação ainda nesta terça-feira, 19, se houver tempo, mas a oposição declarou que a própria deputada teria dito, anteriormente, que suspenderia a votação nesta terça, para uma próxima sessão.

Depois de mais de cinco horas de debate, troca de acusações e críticas entre parlamentares das bancadas ruralista e ambientalista, a votação não foi concluída.

Desde o horário das 10 horas, a oposição utilizou todas as manobras regimentais possíveis para tentar adiar a votação do projeto relatado pelo deputado Luiz Nishimori (PR-PR). A base governista conseguiu avançar com a votação, mas o início dos trabalhos no plenário da Casa interrompeu o andamento.

O projeto de lei é profundamente criticado por instituições do próprio governo, como o Ministério da Saúde, o Ministério do Meio Ambiente e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), além do Ibama.

Na avaliação de técnicos desses órgãos o projeto enfraquece o processo de fiscalização no País e abre o setor para entrada de substâncias que já foram banidas da maior parte das nações, por conta de seus riscos à saúde.

O Instituto Nacional de Câncer é um dos órgãos que também atacam o uso de agrotóxicos no País.

O Ministério da Agricultura e a bancada ruralista negam essas acusações, dizem que a “farmácia do campo” está defasada e que precisam de produtos mais competitivos. O Brasil é hoje o maior consumidor de agrotóxico em todo o mundo.

No fim da tarde de segunda-feira, o texto sofreu uma pequena alteração. Em vez de propor que o termo “agrotóxico” seja substituído por “produto fitossanitário”, o PL passou a sugerir que a palavra seja trocada por “pesticidas”, que seria a palavra mais adequada e utilizada na maioria dos países.

Para além das discussões semânticas, o que de fato preocupa é a concentração de poderes de decisão e registro de produtos nas mãos do Ministério da Agricultura, principal interessado na abertura do setor para novos produtos.

O Ministério Público Federal já declarou que o PL seria inconstitucional e pediu a sua rejeição. Centenas de organizações socioambientais também assinaram cartas de repúdio ao chama de “PL do veneno”.

Como relação ao projeto dos ruralistas, deputado Alessandro Molon (PSB-RJ) propôs audiência pública para debater outro projeto de lei (PL 6670, de 2016), que institui o oposto: a Política Nacional de Redução de Agrotóxicos.

Related posts

Produtor rural poderá incluir dívidas constituídas como pessoa física na recuperação judicial

Fabrício Guimarães

Agroindústria encolheu produção em 0,3% no ano até julho, diz GV Agro

Fabrício Guimarães

China espera que visita de Bolsonaro traga avanço no comércio do agro

Fabrício Guimarães

Deixe um comentário

Usamos cookies para melhorar sua experiência no site. Aceitar Leia Mais