17.8 C
Franca
abril 24, 2024
AgriculturaNotícias

Brasileiros pesquisam café que já nasce sem cafeína

Cientistas de Campinas geram mudas a partir de planta da Etiópia que tem 0,07% de teor da substância

Há 20 anos, a pesquisadora Maria Bernadete Silvarolla, do Instituto Agronômico de Campinas (IAC), trabalha para desenvolver um pé de café que tenha naturalmente baixíssimo teor de cafeína, desde a fase de cultivo.

Desse modo, o fruto não precisaria passar por processos químicos que reduzem seu teor da substância, mas que também podem afetar outras características, como o aroma.

Uma pesquisa como essa requer um longo período até que se chegue a uma viabilidade comercial. Diria que estamos mais ou menos no meio do caminho — disse ela ao GLOBO.

As plantas que deram origem à pesquisa são provenientes de sementes da Etiópia que foram trazidas para o Brasil em 1963. Em 1999, Bernadete começou a buscar quais poderiam ter essa característica.

Em meio a mais de 2 mil pés de café etíopes, foram encontrados, quatro anos depois, três com teor de cafeína de 0,07%.

Para se ter uma ideia: um café descafeinado tem até 0,10% do componente; um tradicional, mais de 1%.

O problema é que apenas três plantas não garantem a viabilidade comercial dessa descoberta — era preciso gerar mudas que pudessem atender às fazendas produtoras.

Por isso, em 2003, teve início o cruzamento dessas plantas de baixo teor de cafeína com as sementes de café tipo arábica que já são comercializadas.

Mas um outro problema surgiu no caminho: entre o plantio e o nascimento dos primeiros frutos são necessários seis anos. E somente após sete gerações de cruzamentos é possível dizer que a planta já tem uma uniformidade genética estabelecida — ou seja, daí em diante, não deverá mais sofrer alterações de padrão.

Outra questão é que esse café, caso tenha viabilidade comercial, terá características mais parecidas com o que é cultivado na Etiópia, ou seja, um sabor e aroma mais floral e frutado, diferente do que é cultivado no Brasil atualmente.

Longo caminho

Júlio César Mistro, um dos pesquisadores do IAC — órgão do governo paulista — acredita que, mantendo o ritmo e os procedimentos adotados atualmente, levaria quase 30 anos para se chegar a uma planta comercialmente viável.

É possível, no entanto, que esse prazo caia para 12 ou 15 anos se o método for alterado: em vez de esperar o prazo de desenvolvimento de cada geração, seria feita uma “embriogênese somática”, processo genético que reduz o número de gerações necessárias para se chegar à uniformidade da planta.

— É difícil estimar o quanto seria necessário para esse processo. Além de insumos e maquinário, é preciso também capital humano, para trabalhar no campo e no laboratório. Mas já há empresas interessadas — disse, sem detalhar como estão as negociações.

O interesse na indústria pelo desenvolvimento dessa pesquisa é grande. Afinal, o Brasil é atualmente o país em que mais se consome café no mundo — desde 2014, ultrapassou os Estados Unidos.

Cada brasileiro toma, em média, 2,3 xícaras de café ao dia, ou 839 “cafezinhos” por ano, segundo dados da consultoria Euromonitor.

Fonte: O Globo

Related posts

A biotecnologia no controle de pragas

Fabrício Guimarães

CMN Realocação de recursos garante mais R$ 6 bi ao Pronaf e Pronamp

Fabrício Guimarães

Governo de São Paulo pretende criar linhas de financiamento para o agro

Fabrício Guimarães

Deixe um comentário

Usamos cookies para melhorar sua experiência no site. Aceitar Leia Mais