12.4 C
Franca
julho 21, 2024
Notícias

Produção de farinha de trigo cresceu 3,4% em 2018, informa Abitrigo

Para a entidade que representa os moinhos, resultado de 2019 dependerá da melhora da economia a partir da aprovação da reforma da previdência

 

A produção brasileira de farinha de trigo totalizou 12,174 milhões de toneladas em 2018, 3,4% a mais que em 2017 (11,774 milhões). A informação foi divulgada, nesta terça-feira (26/3), pela Associação Brasileira da Indústria do Trigo (Abitrigo), em encontro com jornalistas, em São Paulo (SP).

“Não é um crescimento significativo, mas estamos crescendo mais que a economia, mantendo os empregos e os investimentos”, analisou o presidente da Abitrigo, embaixador Rubens Barbosa.

O maior volume foi produzido na região Norte e Nordeste: 3,712 milhões de toneladas, praticamente estável em relação a 2017. Em seguida, aparecem os moinhos do Paraná, com 3,47 milhões de toneladas de farinha produzidas, um aumento de 13,2% na comparação dos dois últimos anos.

Santa Catarina e Rio Grande do Sul produziram 2,177 milhões de toneladas de farinha (+1,4%). Os moinhos de São Paulo colocaram no mercado 1,653 milhão (+1,9%). As indústrias da região Centro-Oeste, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Espírito Santo, juntas, produziram 1,160 milhão de toneladas (-6,1%).

Pela primeira vez, a entidade que representa os moinhos divulgou dados sobre a extração, o porcentual de farinha obtida a partir do grão processado. Com base nas informações de 160 plantas industriais, a Associação constatou que, no ano passado, essa proporção ficou em 75,9%.

Dados de outubro de 2018 apontam que 56% do trigo processado pelos moinhos brasileiros vão para a panificação. Outros 26% vão para a indústria de massa e biscoitos, 11% para vendas no varejo e 7% para outras finalidades, como produção de farelo e ração animal.

Otimismo

Em relação a 2019, a Abitrigo não especificou o quanto a moagem de trigo pode crescer. Rubens Barbosa sinalizou apenas que a tendência é de aumento na demanda em função da melhora na economia, o que depende, segundo o executivo, da aprovação da Reforma da Previdência, em discussão no Congresso Nacional.

“A tendência é de que a demanda aumente e a moagem aumente. Mas deve haver um crescimento pequeno. Não vai explodir a economia nem o consumo”, afirmou o presidente da Abitrigo. De acordo com a entidade, a capacidade ociosa da indústria, atualmente, é de 25%, o que permite atender “de imediato” uma pressão de demanda vinda do aquecimento na economia.

Pesquisa feita pela entidade no início de janeiro e apresentada aos jornalistas indica uma perspectiva favorável por parte do empresariado do setor. O levantamento foi feito com uma base de 160 plantas industriais entre associadas e não associadas à entidade.

Do total, 30% se disseram muito otimistas, com expectativa de crescimento de mais de 5% na moagem de trigo neste ano. Outros 42,1% responderam estar otimistas, esperando aumento de 1% a 5%. Para 23,6% dos entrevistados, o ano deve ser de estagnação; para 1,4% de redução entre 1% e 5% na moagem de trigo e para 2,9% uma queda superior a 5%.

Fonte: Raphael Salomão

 

Related posts

faesp/senar : Produtor Rural Pessoa Física e Jurídica, você já SIMULOU o recolhimento do Funrural 2019?

Fabrício Guimarães

Boi: Preços iniciam junho em forte queda

Fabrício Guimarães

BSCA atualiza mapa das origens produtoras de café no Brasil

Deixe um comentário

Usamos cookies para melhorar sua experiência no site. Aceitar Leia Mais