24.1 C
Franca
julho 21, 2024
Agricultura

Máquina podadeira de cafeeiros pode fazer três serviços numa só passada

POR JOSÉ BRAZ MATIELLO

FOLHA PROCAFÉ

As podadeiras desenvolvidas nos últimos anos podem fazer todos os trabalhos de poda, do tipo esqueletamento ou desponte, de forma mecanizada, em uma única passada do trator, economizando tempo. 

As lavouras de café têm sido manejadas com mais podas, especialmente aquelas que visam programar a produção no sistema safra zero, aplicando esqueletamento ou desponte. Estima-se que mais de 300 mil ha de lavouras são manejadas com essas podas a cada ano no país. 

No esqueletamento/desponte, as plantas recebem o corte da ramagem lateral dos dois lados da linha de cafeeiros, mais um decote superior, com corte da haste principal, visando reduzir a altura da planta e estimular maior brotação nos ramos laterais/produtivos. O trabalho de poda pode ser feito de forma manual ou mecanizada. 

Nas podas de esqueletamento em áreas de montanha não mecanizáveis, ou em pequenas propriedades, o mais usual é a utilização de equipamento motorizado de operação manual, com pente de poda, podendo ser a mesma máquina usada para derriça de frutos de cafeeiros, com acoplamento do kit de poda, que pode ser o pente para a ramagem lateral e um disco serrilhado, este para corte do tronco mais grosso.

Nas áreas mecanizáveis, os equipamentos usuais, tratorizados, para esqueletar/despontar, são compostos por um conjunto de discos de serra circular, de facas triangulares ou de pentes, dispostos em uma haste que caminha lateralmente efetuando o corte dos ramos laterais. Primeiro trabalha de um lado, depois do outro lado da linha, finalizando com outra passada, agora com a decotadeira para o corte alto da haste principal. Neste caso, são três passadas e o rendimento observado tem sido o gasto de 5-6 horas por hectare. Uma outra alternativa é combinar implemento de esqueletamento na frente do trator e o de decote atrás. Deste modo, seriam duas passadas. 

As podadeiras mais modernas já evoluíram para o trabalho a cavaleiro da linha de cafeeiros, assim podendo fazer o serviço em uma só passada, esqueletando os dois lados e decotando. Esse maquinário, tomando como exemplo a máquina da VN TRE LATI, pode fazer a poda completa de cerca de 4-5 hectares por dia, dependendo da velocidade usada, que pode variar de 1,5 a 3 km por hora, dependendo do volume e dureza da ramagem a ser cortada, devendo ser mais lenta em lavouras mais lenhosas. A máquina da VN possui um sistema de barra atrás para o decote e duas barras laterais, munidas, cada uma, de 8 facas de tipo semelhante àquelas usadas para desengrosso de madeira. Em caso de necessidade de decote de hastes mais grossas, pode-se usar discos no lugar da barra, em cima. Essas barras, tanto a de decote como as de esqueletamento, podem ser reguladas em altura e em abertura lateral.


Podadeira modelo Tre Lati da VN máquinas tracionada a trator, trabalha a cavaleiro da linha de cafeeiros e faz todo o serviço de poda de esquletamento/desponte em uma só passada. Pode-se observar o detalhe da lâmina traseira de decote e as laterais de esqueletamento – Fazenda Sertãozinho, Botelhos (MG)


Área de cafeeiros podados por desponte com a podadeira Tre Lati, em uma só passada – Fazenda Sertãozinho, Botelhos (MG)

Related posts

Clima continuará favorecendo o plantio do milho

Fabrício Guimarães

Etiópia enfrenta dificuldades na produção e exportação de cafés especiais

Fabrício Guimarães

Conheça o potencial do uso dos microrganismos do solo no manejo integrado de pragas

Fabrício Guimarães

Deixe um comentário

Usamos cookies para melhorar sua experiência no site. Aceitar Leia Mais