24.1 C
Franca
julho 21, 2024
Notícias

Impactos das enchentes e da importação no mercado do arroz

A média nacional de preços do arroz em junho já alcançou 4,04%.

As enchentes recentes no Rio Grande do Sul e a Medida Provisória 1224/2024, que permite a importação de arroz beneficiado, estão impactando significativamente o mercado agropecuário brasileiro. O estado, que representa quase 70% da safra nacional de arroz em 2023/24, enfrenta preocupações com a segurança da oferta interna do grão, suscitando dúvidas sobre sua disponibilidade no mercado doméstico. 

Apesar de a maior parte da safra gaúcha ter sido colhida antes das enchentes, um levantamento da Conab em maio indicou aumentos expressivos nos preços do arroz em várias regiões do país: 14,24% no Rio Grande do Sul, 9,44% em Santa Catarina, 13,04% no Tocantins, 5% no Mato Grosso e 11,71% no atacado em São Paulo. “A nossa dependência do RS para o abastecimento de arroz é enorme e qualquer evento climático adverso pode causar variações significativas nos preços”, comenta Isadora Araújo, economista da GEP COSTDRIVERS – plataforma líder no Brasil em inteligência, análise e projeção de dados.

Os dados do CEPEA indicam que a média nacional de preços do arroz em junho já alcançou 4,04%, elevando as preocupações para a safra 2024/25 devido aos impactos das enchentes. Há incertezas sobre o atraso no plantio e a produção futura, o que pode manter os preços elevados até que as condições da nova safra sejam confirmadas, previstas para setembro. Para mitigar a especulação e estabilizar o mercado, o governo federal promulgou a MP 1224/2024, autorizando a importação de até 1 milhão de toneladas de arroz beneficiado pela Conab, com um investimento de R$7,2 bilhões. Esta medida representa 8,19% da demanda total nacional, visando controlar a flutuação de preços e garantir certa estabilidade durante o período de incerteza.

“A tendência de aumento dos preços deve persistir no ano que vem, impulsionada pela insegurança sobre a próxima safra no RS, a situação das exportações mundiais e as condições macroeconômicas globais. A continuidade ou ampliação das medidas de importação pelo governo será crucial para mitigar os impactos no mercado interno”, concluiu Isadora.

AGROLINK – Leonardo Gottems

Related posts

Fundação Procafé realiza Dia de Campo em Franca

Genética do capim faz diferença

Governo federal afasta prorrogação do Zarc

Fabrício Guimarães

Deixe um comentário

Usamos cookies para melhorar sua experiência no site. Aceitar Leia Mais