18.5 C
Franca
abril 13, 2024
AgriculturaNotícias

Demanda e renumeração incentivam produção de etanol

Ciclo 2019/20 no Centro-Sul deve registrar segundo menor nível de produção de açúcar desde a safra 1997/98

A média de vendas de etanol hidratado das últimas quatro semanas apontou remuneração 12,5% melhor na comparação com a exportação de açúcar VHP para as usinas do estado de São Paulo, um incentivo forte à produção do biocombustível. Segundo cálculos da INTL FCStone, 62,9% da safra 2019/20 de cana-de-açúcar no Centro-Sul deve ser destinada à destilação de etanol, enquanto apenas 37,1% seria direcionada à produção de açúcar – proporção que representa 1,9 ponto percentual a mais do que em 2018/19, mas que é, entretanto, o segundo menor nível desde a safra 1997/98.

Esse cenário é resultado de movimento diverso entre o açúcar e o petróleo. Considerando os contratos contínuos na ICE, nota-se uma queda de cerca de 7% no primeiro e uma alta equivalente no segundo desde nossa última estimativa. “Analisando as primeiras telas desde o começo do ano, verifica-se queda de 5% no açúcar enquanto o petróleo avançou mais de 35%”, aponta o analista de mercado da INTL FCStone, João Paulo Botelho.

Nesse contexto de movimento diverso entre as duas commodities, que influencia diretamente o destino da cana, a INTL FCStone projeta produção de etanol de cana-de-açúcar em 29,1 milhões de m³, 3,5% abaixo de 2018/19. Deste total, 19,8 milhões de m³ (-7,0%) se referem a hidratado e 9,4 milhões de m³ a anidro (+5,0%).

Com o aumento na produção esperada de etanol em relação à estimativa divulgada em março, a consultoria elevou também a participação do hidratado, uma vez que a maior oferta deve tornar o biocombustível mais competitivo em relação à gasolina C nos postos, limitando a procura por anidro.

Já a fabricação de açúcar deve alcançar 27,8 milhões de toneladas, 4,7% acima do mesmo período na safra passada, mas ainda assim o segundo menor patamar em mais de 10 anos, desde a safra 1997/98.

Segundo a revisão de maio da INTL FCStone, após atrasos na maioria das regiões produtoras devido às chuvas intensas no começo de abril, a safra 2019/20 deve processar 574,2 milhões de toneladas de cana-de-açúcar, avanço de 0,2% na comparação com o ciclo anterior.

“As precipitações no começo de abril, que se estenderam até a primeira quinzena de maio, devem ter impactos significativamente positivos sobre o desenvolvimento dos canaviais, e negativos sobre a concentração de açúcares na cana”, resume o analista de mercado, João Paulo Botelho.

Fonte: INTL FCStone

Related posts

Nematoides: você conhece detalhes deste parasita comum nas lavouras de café?

Fabrício Guimarães

Cooxupé desenvolve programa para garantir sustentabilidade e padronização do café no mercado.

Fabrício Guimarães

Canela de geada ocorre em cafeeiros novos no Sul de Minas

Fabrício Guimarães

Deixe um comentário

Usamos cookies para melhorar sua experiência no site. Aceitar Leia Mais