12.4 C
Franca
julho 21, 2024
Pecuária

Carta Leite – Produção de leite cresce no primeiro trimestre e o que vem por aí?

A pesquisa trimestral do leite, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), referente aos primeiros três meses de 2024, foi publicada em 6 de junho.

Para o levantamento foram considerados os volumes de leite adquiridos pelos laticínios com algum tipo de inspeção sanitária (municipal, estadual e/ou federal).

No primeiro trimestre foram coletados 6,2 bilhões de litros de leite, aumento de 3,3% em relação a igual período do ano passado. 

Na comparação anual, o volume cresceu em todos os períodos na comparação mês a mês. Os seis principais estados com maior captação no período correspondem a 81,9% do total, e são eles, na sequência de importância: Minas Gerais, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Goiás e São Paulo. 

Desses, Rio Grande do Sul e São Paulo apresentaram reduções em suas captações no período, de 5,5% e 6,3%, respectivamente.

Destacamos que este período (jan-fev-mar) não inclui o recente episódio das enchentes que acometeu o Rio Grande do Sul. O estado vem sofrendo desafios devido a problemas climáticos desde a temporada passada, por falta de chuvas e temperaturas elevadas e atualmente por excesso de pluviosidade. 

Com isso, a produção no estado pode apresentar uma redução mais acentuada nos dados do segundo trimestre do ano. 

Expectativas para o mercado do leite no curto prazo

Do lado da produção, segundo o Índice de Captação da Scot Consultoria houve queda de 2,1% na captação, na média nacional, em abril, em relação a março. Para maio, o Índice de Captação deverá seguir o mesmo movimento, com expectativa de redução de 1,4%, segundo dados parciais. 

O avanço da entressafra, que reduz a qualidade das pastagens, na região Sudeste e Centro-Oeste do país, junto ao atraso da safra no Sul, devido ao excesso de chuvas no Rio Grande do Sul, colabora para o quadro de menor produção no campo.

Com relação a remuneração ao produtor, para o pagamento a ser realizado em junho, referente à produção entregue em maio, a expectativa é de estabilidade à alta. Segundo levantamento da Scot Consultoria, 55,6% dos laticínios pesquisados apontam para alta nos preços e os demais 44,4% falam em estabilidade. 

Apesar da expectativa de mercado firme para o próximo pagamento, alguns fatores podem pressionar os preços, como: a oferta de leite pode começar a se recuperar de forma lenta nos próximos meses devido as margens mais favoráveis este ano; os laticínios têm tido dificuldades em repassar a valorização da matéria-prima para os preços dos lácteos; além disso, as importações continuam sendo uma pauta importante dentro da cadeia.

Related posts

Programa de gestão de propriedades leiteiras melhora rentabilidade de Agricultores Familiares de Medeiros

Fabrício Guimarães

Transporte de gado ganha isenção de imposto, entenda o caso

Fabrício Guimarães

Desempenho do suíno, na granja, na 3ª semana de 2022

Fabrício Guimarães

Deixe um comentário

Usamos cookies para melhorar sua experiência no site. Aceitar Leia Mais