14.2 C
Franca
julho 19, 2024
Pecuária

Acidose ruminal pode prejudicar bovinos confinados

Técnica de pecuária intensiva, o confinamento proporciona aumento do ganho de peso em curto período de tempo, porém indiscutivelmente é causa de estresse nos animais. Com espaço reduzido, brigas e sodomia para definição de líderes, além de contato com humanos, máquinas, poeira, sol e alimentação diferente da pastagem, a imunidade dos bovinos pode diminuir, deixando-os vulneráveis a doenças. Pneumonias e dermatites estão entre os males mais comuns.

Em meio a isso, surge o amido, componente que fornece tipo distinto de energia em relação ao que o gado estava acostumado. Como é rapidamente fermentável, ele promove maior produção de ácidos no rúmen – o que pode culminar em acidose ruminal (clínica ou subclínica). O efeito imediato é a redução do consumo, com consequente perda no ganho de peso e, prejuízos.

Mas não é só isso. Estima-se que em 60 dias no confinamento o fígado dos bovinos pode ficar 70% maior, resultado dessa dieta para alto desempenho. Porém, até isso acontecer, o órgão ficará sobrecarregado, o que é prejudicial.

Para evitar esses problemas, em primeiro lugar é preciso diminuir o estresse e aumentar a imunidade por meio do incremento de zinco e cobre, sem que haja uso de sulfatos em altas proporções. Estes recursos podem reduzir a digestão de fibras. A solução, portanto, é fornecer fontes que sejam protegidas da degradação ruminal para não afetar a flora bacteriana, como os hidroxi-minerais de alta concentração, que possibilitam a alta dos níveis dos componentes benéficos. Outros aditivos, como mananoligossacarídeos, contêm beta-glucanas, que ajudam a neutralizar alguns agentes causadores de doenças nos animais que estão no rúmen.

Para manter o rúmen saudável, é preciso ter quantidade adequada de fibras na dieta, para estimular a ruminação. Ademais, é importante evitar falta de comida entre os tratos. Quando o cocho é reabastecido após período sem comida, os animais comem com mais voracidade. O excesso de alimentos que entram rapidamente no rúmen impede a regulação ideal de ácidos. A consequência é a acidose. A sobra demasiada de comida também não é desejada. Além de desperdício, alguns animais poderão consumir mais alimentos concentrados do que formulados, tendo como provável resultado a acidose.

O fornecimento de aditivos também é uma forma de dar mais segurança aos animais. A monensina, por exemplo, auxilia o controle de bactérias que produzem o lactato. Os tamponantes deixam a dieta mais segura, neutralizam ácidos e facilitam sua retirada do rúmen. Leveduras vivas melhoram o ambiente ruminal para bactérias que consomem ácido lático.

As vitaminas B aceleram reações no fígado em animais de alto desempenho e ajudam a metabolização nesse órgão que ainda não está pronto para a dieta de confinamento. Contudo, é preciso investir em produtos que impeçam a degradação das vitaminas ainda no rúmen. Produtos de eficácia comprovada já estão à disposição dos pecuaristas que desejam melhorar o metabolismo do fígado, potencializando o ganho de peso.

Fonte: Destaque Rural

Related posts

Projeto da Associação dos Criadores de Nelore do Brasil pode melhorar remuneração dos pecuaristas

Fabrício Guimarães

Brasil amplia área de exportação de carne bovina

Fabrício Guimarães

Secretaria moderniza Defesa Agropecuária e lança ferramenta que permite aos agricultores emitirem digitalmente a Permissão de Trânsito Vegetal

Fabrício Guimarães

Deixe um comentário

Usamos cookies para melhorar sua experiência no site. Aceitar Leia Mais